terça-feira, 17 de abril de 2018

Alemanha entra em campo a favor do boto da Amazônia


Foto de aquário do Tropial Hall Rio Negro/Divulgação Zoo
Zoológico da Alemanha faz uma homenagem ao
boto-cor-de-rosa da Amazônia e destaca seu importante papel no ecossistema. O Zoológico de Duisburg mantém o Tropical Hall Rio Negro, uma enorme ala com aquários onde estão os botos-cor-de-rosa e onde podem ser vistos pelo público. No Brasil, este maravilhoso mamífero aquático está ameaçado de extinção por causa da pesca predatória.
Segundo a World Animal Protection, milhares de botos são caçados ilegalmente na Amazônia todos os anos principalmente para serem usados como isca na pesa da piracatinga.
A piracatinga era vendida principalmente na Colômbia. O governo federal, por meio do Ministério da Pesca e do Ministério de Meio Ambiente decretou moratória de 5 anos na pescada da piracatinga, para desta forma desestimular a caça ao boto da Amazônia.
Inaugurado em 2005, o moderno corredor tropical do Rio Negro é sucesso de público na Alemanha.

A campanha da World Animal Protection alerta que

Boto não é isca

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

ENDOSCOPET: AMOR E CUIDADOS HIGH-TECH.

 
Endoscopet: Márcia e Franz (Foto de divulgação)

    Foi inaugurada no bairro de Campo Belo, em São Paulo, na quarta-feira, dia 31 de janeiro de 2018, a Endoscopet Medicina Veterinária, o Primeiro Centro de Endoscopia Veterinária e Cirurgias Avançadas do Brasil. À frente deste projeto inovador estão o médico veterinário Franz Naoki Yoshitoshi, pioneiro no uso da endoscopia veterinária no País, com especialização no Japão, e a arquiteta Márcia Palma Yoshitoshi, responsável pelo projeto do Centro Veterinário, que garante conforto e bem-estar aos tutores, seus animais e a equipe.
   A endoscopia é um recurso utilizado em Medicina Veterinária para diversos diagnósticos e também para a retirada, por exemplo, de corpos estranhos do estômago dos pets. É um recurso não invasivo diferentemente da cirurgia convencional. Cachorros comem às vezes o que não devem, como brinquedos, ossos e outros objetos, e gatos engolem pelo e agulha com linha (corpo estranho perfurante e linear). A grande vantagem nestes casos é que endoscopia dispensa o bisturi e o paciente pode voltar para casa em segurança!
    Entretanto, a Endoscopet, já abre suas portas, preparada para procedimentos complexos e cirurgias avançadas, como a endoscopia intervencionista, vídeo-cirurgia torácica e abdominal, além de cirurgias em oncologia, gastroenterologia, doenças do trato respiratório e nefrologia. A equipe é formada por especialistas conceituados e equipamentos modernos que permitem procedimentos fundamentais e não invasivos como a colocação de stent traqueal em animais com colapso de traqueia. O serviço inclui ainda trabalhos como gastroenterologista, odontologista, a prótese 3D, vídeo-cirurgia e atendimento de animais silvestres.  
     O Dr. Franz e a arquiteta e gestora Márcia sabem que hoje os pets são considerados integrantes das famílias brasileiras, conforme aponta pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Instituto revelou que existem mais de 52 milhões de cães e 22 milhões de gatos vivendo em domicílio no Brasil.   
     À alta tecnologia, portanto, somam-se os cuidados com o bem-estar dos animais e dos pacientes. É neste contexto que tutores e animais são atendidos antes, durante e depois dos procedimentos cirúrgicos e de endoscopia.

ENDOSCOPET – MEDICINA VETERINÁRIA
Endereço: Rua Pascal, número 789, no Campo Belo, São Paulo-SP

Telefones: (11) 3476-3735 e 3476-3736


terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Vale a pena visitar o Museu de Zoologia da USP

Foto divulgação/MZUSP
O Museu de Zoologia da USP, no bairro do Ipiranga, está com a exposição Biodiversidade Conhecer para Preservar, que é muito interessante e está bem apresentada no salão principal do museu.
Há fósseis da extinta preguiça gigante e todo um painel sobre a fauna existente na cidade de São Paulo
MZUSP - Museu de Zoologia da USP
Avenida Nazaré, 481 - Ipiranga
São Paulo - SP - Brasil - CEP 04263-000
Fone: +55 11 2065-8100 - Fax: +55 11 2065-8100
E-mail: mz@edu.usp.br

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Hora de rever as lições em sala de aula

              Os profissionais de hoje ainda lembram os termos usados em sala de aula para descrever o ser humano e os animais: os primeiros eram os "racionais" e os segundos os "irracionais". Mas todos os dias, e com razão, vemos em casa ou na clínica veterinária, momentos em que os nossos animais se mostram "inteligentes" e "racionais". Os cães e os gatos domésticos, por serem mais próximos aos humanos, são exemplo de uma complexidade lógica e emocional, e seres que têm sentimento e raciocínio.
              Portanto, é hora de incorporarmos algumas reflexões de Edgar Morin, pensador francês, sobre o que é ensinado nas salas de aula dos colégios tradicionais sobre os animais, onde ainda hoje onças e lobos-guarás são apresentados como "selvagens" _ palavra que não define mais quem vem da selva, mas tem nova representação simbólica, que aponta para o que pode ser perigoso, não submetido, imprevisto e de comportamento agressivo.
             Morin enumerou em seus estudos os 7 saberes importantes aos educadores do futuro e o assunto foi tema do Mestrado em Saúde e Bem-Estar Animal do curso de Pós-Graduação da FMU que estou cursando em São Paulo.
             Considerando os pontos propostos como a transdiciplinaridade do conhecimento, os princípios do conhecimento pertinente e a ética do gênero humano, é dever dos educadores da atualidade rever o ensino sobre os animais e de seus comportamentos naturais.
             O Homo Complexus como define Morin é que pode ser bastante "irracional", "destruidor" e até "selvagem". O comportamento dos animais silvestres é atualmente conhecido, segue a hábitos previsíveis, de amor, proteção e evidente de defesa contra agressores, como seres humanos caçadores que invadem seus territórios ou cortadores de florestas e invasores de matas.
             A ideia do lobo mal deve definitivamente ficar para trás nas salas de aula. As crianças hoje em dia chamam cães e gatos de "amigos" e de "irmãos" como vemos hoje no dia-a-dia da clínica veterinária. Estão aprendendo sozinhas com o apoio de São Francisco de Assis, e muitos educadores devem ouvi-las.
            É hora de leitura dos textos de Edgar Morin e do emprego de suas ideias nas aulas de Biologia.

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Um ônibus destinado à castração de cães e gatos


O veículo totalmente adaptado pela Ampara/Foto Divulgação
Surgiu uma boa ideia na área de prevenção de cães e gatos, com a realização de cirurgias de castração, procedimento que além de evitar crias indesejadas, é medida de prevenção ao câncer de mama, por exemplo. É um ônibus adaptado para a realização de cirurgias de esterilização de cães e gatos, um projeto da Prefeitura de São Paulo em parceria com a Associação AMPARA Animal.
Segundo texto recebido da assessoria de imprensa, o projeto teve início na segunda-feira (18) com uma ação na região da Luz. A estimativa dos organizadores era de realizar 60 cirurgias de castração de cães e gatos. A parceria com a instituição foi viabilizada pela Secretaria Especial de Investimento Social.  
Os atendimentos serão feitos em um ônibus preparado e equipado pela AMPARA Animal, de acordo com as exigências na resolução 2579, de outubro de 2016, do Conselho Regional de Medicina Veterinária, que normatiza os procedimentos de contracepção de Cães e Gatos em mutirões de esterilização no Estado de São Paulo. 
 
 
 
Com uma atuação de seis dias em cada local, estima-se a realização mensal de aproximadamente 400 procedimentos de esterilização cirúrgica de cães e gatos apenas neste veículo. No ônibus, os animais atendidos também receberão o Registro Geral Animal (RGA) e serão microchipados. Seus tutores também serão orientados sobre Guarda Responsável.
A equipe de trabalho será composta diariamente por dois integrantes para a realização da coleta de dados e organização do público, dois estagiários responsáveis pela triagem pré-operatória dos animais, três médicos veterinários, sendo um responsável pela anestesia, um pela cirurgia e outro pelo pós-operatório, além de cinco enfermeiros auxiliares. 
 
Essa ação terá o apoio da Vetnil, especializada em produtos veterinários.
 
AMPARA Animal
Criada em 2010, a Associação das Mulheres Protetoras dos Animais Rejeitados e Abandonados é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), sem fins lucrativos, que trabalha na captação de recursos para amparar instituições e protetores independentes com ração, medicamentos e atendimento veterinário. 
 
A organização também realiza trabalhos para a conscientização de adultos e crianças sobre o cenário de abandono de animais. Atualmente, a associação conta com cerca de 250 protetores independentes cadastrados, entre São Paulo e Rio de Janeiro, auxiliando mensalmente cerca de 10 mil animais.

Fonte: Valle da Mídia Assessoria de Imprensa